loader image

Salta à Vista

ENSINA | 4 min. de leitura

COMO LIMITAR O TEMPO PASSADO EM FRENTE AOS ECRÃS?

Definir (e manter) limites no tempo que passa em frente aos ecrãs e adotar atividades sem contacto com os mesmos pode ajudá-lo a reduzir a sua exposição à luz azul-violeta nociva que os equipamentos digitais emitem. Adquirir uns óculos com filtro de proteção para computador pode ajudar a reduzir o impacto do tempo excessivo em frente a ecrãs nos seus olhos.

Está preso em casa a acumular o tempo passado em frente a ecrãs enquanto espera que o coronavírus passe? Isto não é bom para os seus olhos, mente ou corpo.

Ficar em segurança significa tomar conta de si. Reduza a sua vida digital e diminua a exposição à luz azul-violeta. Esta afeta os ritmos circadianos do corpo, que podem dificultar que tenha uma boa noite de sono (e já não tem o suficiente na cabeça para dificultar o sono na hora de ir dormir?).

Neste momento de distância social, crie também alguma distância entre si e os equipamentos digitais. Faça uma pausa das videochamadas, por exemplo. Para reduzir o tempo que passa em frente a ecrãs e descansar com mais facilidade, siga as seguintes orientações em baixo.

Dicas e truques para limitar o tempo em frente a ecrãs

Controlar (e reduzir) o tempo em frente a ecrãs: nas definições dos seus equipamentos digitais, deverá conseguir ver quanto tempo passa no seu telemóvel e quanto tempo passa em cada aplicação. Defina um objetivo de reduzir o tempo em frente aos ecrãs de semana para semana.

Defina horários para estar em frente a ecrãs: criando alguns limites à sua dieta digital fora do horário laboral pode reduzir o tempo que passa em frente a ecrãs. Como o pode fazer? Defina horários para aceder às redes sociais, para leitura online e ver televisão, e depois mantenha a sua nova dieta digital.

Defina espaços sem ecrãs: não leve o telemóvel consigo para a casa de banho e não veja televisão ou envie mensagens aos seus amigos quando está na cama. Considere deixar todos os seus carregadores fora do quarto, para não sentir a necessidade de olhar para o telemóvel antes de adormecer.

Opte por um despertador de relógio: se o seu telemóvel substituiu o seu despertador no quarto, dê descanso ao equipamento digital. Deixe o seu telemóvel na cozinha ou sala e faça como antigamente. Acorde com um despertador de relógio. Definir limites ajuda com os seus equipamentos digitais como nos relacionamentos.

Apague aplicações: se estiver mesmo dedicado a reduzir o tempo que passa em frente aos ecrãs, apague algumas das suas aplicações. Desconfiamos que as redes sociais são as principais culpadas. Longe da vista, longe do coração, como se costuma dizer. Com algumas aplicações, o melhor lema deve ser “não nos deixais cair em tentação” (estamos a falar de compras!).

Desligue as notificações: se não estiver preparado para apagar as suas aplicações de redes sociais, desligue as notificações. Assim, não se vai sentir tentado a abrir as aplicações se não estiverem constantemente a notificá-lo com vendas “agora disponíveis online” e ofertas de entrega à porta e sem contacto.

Fale ao telemóvel: provavelmente, agora recebe mais pedidos para videochamadas do que alguma vez recebeu antes desta pandemia. De repente, o seu colega de trabalho, com quem apenas almoçava uma vez ou outra, quer fazer uma videochamada. Reduza algum tempo de ecrãs: substitua algumas videochamadas por chamadas de voz.

Utilize óculos com filtro de proteção contra a luz azul-violeta nociva: a não ser que faça uma dieta digital agressiva, vai se manter em contacto com ecrãs dia e noite durante o isolamento em casa. Os óculos que filtram a luz azul-violeta nociva vão proteger os seus olhos da mesma, que pode mantê-lo acordado toda a noite.

Sete atividades para melhorar a sua vida durante a quarentena

De forma a aproveitar melhor o tempo obrigatório em casa, aprenda algo novo todos os dias, desfrute de um jantar sem televisão, distraia-se com um bom livro ou vá dar um passeio (mantendo a distância de segurança das outras pessoas, claro). Experimente qualquer uma destas sete atividades para fazer do seu isolamento em casa mais recompensador e gratificante:

1. Seja criativo: existe um artista dentro de si. Pinte algo abstrato se estiver preocupado em ter dificuldade nos detalhes. Toque um instrumento que esteja guardado a ganhar pó.

2. Torne-se num foodie: provavelmente já viu nas redes sociais os seus amigos e conhecidos tentarem cozinhar pão. É uma tendência muito específica, mas porque não tentar cozinhar algo similar ao seu prato favorito que pede quando vai comer fora? Assim que tiver criado o seu banquete, sente-se e disfrute de cada garfada, sem ligar a televisão.

3. Ponha a leitura em dia: terá certamente uma lista de livros que sempre planeou ler. Agora é a altura de reduzir essa lista. Inicie uma viagem pela sua prateleira de livros e leia alguns dos que já comprou há anos.

4. Afine a sua habilidade de audição: dê uma pausa aos seus olhos e ofereça aos seus ouvidos algo para ouvir durante esta quarentena. Ouça livros de áudio enquanto limpa a sua casa. Sintonize-se em podcasts enquanto cozinha ou cria arte. Ouça música relaxante enquanto toma um banho de espuma.

5. Escreva a sua própria história: precisa de poucos ou nenhuns recursos para explorar as profundezas da sua imaginação. Basta papel e caneta ou lápis. O ponto é: pode criar obras de arte literárias (ou listas animadoras ou páginas no diário) sem utilizar aplicações de notas no seu telemóvel.

6. Inspire-se: existem outras formas de inspiração para além do Pinterest e do TikTok. Quebre a sua “quaren-rotina” fazendo um quadro, dizendo afirmações, exercitando e meditando. Pense positivo para melhorar o seu humor.

7. Tenha calma: só porque agora pode ter tecnicamente mais tempo não significa necessariamente que tem mais energia. Deixe-se dormir. Recuse uma videochamada se não tiver vontade de a atender. Ou, se possível, volte à natureza e dê um passeio – e realmente ouça os pássaros.

Menos tempo para os ecrãs, mais tempo para si

Quando reduz a gordura digital do seu dia, pode levar uma vida mais rica. Se utilizar as dicas e truques acima descritos para reduzir o tempo que passa em frente aos ecrãs e tentar novas formas criativas de preencher os seus dias durante o isolamento em casa, pode até aproveitar melhor a vida quando esta crise passar. Os seus amigos podem até afirmar que fica incrível nos seus novos óculos com filtro de proteção contra a luz azul-violeta nociva.

A sua vida menos obcecadamente digital pode-se tornar a sua nova vida normal. Quando voltar a ser possível jantarmos em restaurantes, ver jogos de futebol das bancadas dos estádios e aproveitar a liberdade de sair novamente, pode ser que não se sinta obrigado a verificar constantemente o seu telemóvel sempre que este tocar. Pode ser que fale mais cara a cara do que através de texto. Talvez o tempo passado em frente a ecrãs seja substituído por mais tempo “para mim”.

Uma visão saudável tem um papel fundamental no desenvolvimento das crianças. Desde a infância, existem aspetos a ter em consideração no sentido de assegurar um perfeito desenvolvimento visual

Existe uma crença comum de que passar muito tempo em frente a um computador, smartphone ou ver televisão pode causar problemas de visão.

Definir (e manter) limites no tempo que passa em frente aos ecrãs e adotar atividades sem contacto com os mesmos pode ajudá-lo a reduzir a sua exposição à luz azul-violeta nociva presente nos equipamentos digitais.

Alguma vez teve dificuldade em ler sinais de trânsito ou em reconhecer alguém à distância? Isto pode significar que tem miopia, mas é muito fácil de resolver.

O novo coronavírus pode entrar através do nariz, boca e até dos olhos. A conjuntivite pode também ser um sintoma da Covid-19.

A visão não é inata nos seres humanos. Um bebé, normalmente, espera até os 5 anos de idade para poder beneficiar de uma visão totalmente desenvolvida!

Tudo o que precisa de saber para manter melhor a saúde visual dos seus filhos.

O estrabismo é um distúrbio da visão relacionado com um defeito no paralelismo dos eixos visuais devido a um desequilíbrio muscular oculomotor.

Os daltónicos sofrem grandes dificuldades, e alguns chegam a não conseguir, distinguir as cores dos objetos. Algumas pessoas não conseguem mesmo distinguir cores nenhumas, no entanto esta condição é rara.

Ensinar a ver bem para aprender melhor

Uma visão saudável tem um papel fundamental no desenvolvimento das crianças. Desde a infância, existem aspetos a ter em consideração no sentido de assegurar um perfeito desenvolvimento visual.

Todas as crianças são diferentes, podendo alcançar os mesmos patamares em idades distintas. No entanto, se suspeitar de algum comportamento anómalo, será necessário proceder de imediato a um exame de despistagem visual.

SINAIS DE ALERTA

Principais sintomas de anomalias visuais:

dor de cabeça

piscar os olhos

tapar um
dos olhos

colocar os objetos
muito perto

estrabismo

esfregar
os olhos

MIOPIA

Alguma vez teve dificuldade em ler sinais de trânsito ou em reconhecer alguém à distância? Isto pode significar que tem miopia, mas é muito fácil de resolver.

Regra dos 20-20-20

É hora de descansar os olhos!

 

Conhece a regra dos 20-20-20?

A cada 20 minutos ao olhar para um ecrã, deve-se olhar
por 20 segundos para objetos que estejam a mais de
20 metros de distância. Assim, evita-se a fadiga ocular e também ajuda a prevenir a miopia.

A Banda da Essi

Sabia que a Essi tem uma banda com os amigos?

A banda é composta pela Cobra Serafina no clarinete, o Sapo Sebastião no baixo, as Formigas Marias na bateria, a Cigarra Eulália e o Grilo Ambrósio nos violinos e por fim a Essi, a nossa vocalista.

Ambliopia

A ambliopia é uma condição que geralmente tende a afectar mais as crianças, mas é normalmente fácil de tratar. No entanto, se não for corrigida, poderá tornar-se permanente.